domingo, 20 de janeiro de 2008

Capítulo sessenta e sete - Ladainha

É sempre onde menos se espera que se encontra o que não se quer. Minha obsessão por ser diferente tem me afastado cada vez mais e mais e mais e mais das pessoas. Os diferentes envelhecem e querem ser iguais a todo mundo. Querem ser iguais ao que já são. Há segurança em não precisar mudar. Há tédio.

E eu que já sou velho demais pra me meter com adolescentes. Já não tenho mais paciência. Nunca tive paciência, só tenho preguiça. Isso eu tenho de sobra. Mas sempre confundi preguiça com paciência.

O dia-a-dia não me interessa. O fora-do-cotidiano não me interessa. Não quero saber das grandes questões do universo, não quero saber o preço do feijão. Quero me refugiar na ficção. Quero mentiras, quero inventar, quero não querer. O que eu não tenho devia parecer interessante. A grama do vizinho morreu faz tempo. O vizinho é que teima em viver.

Meu vizinho um dia acordou morando em outra cidade. Fato que claramente causou uma baita confusão. Como posso chamar de vizinho alguém que mora em outra cidade? Deveria eu mudar de cidade também? Deveria deixar de chamá-lo de vizinho? Mudar esse antigo hábito?

Tomei o ônibus e desloquei-me até a cidade vizinha pra falar com meu vizinho. Ele não fazia idéia de como se deu essa mudança, mas que até gostava da nova vizinhança. Tentei fazer com que ele visse meu lado. Era justo que continuasse morando do meu lado, depois de tantos anos. E aquela vez que te emprestei açúcar? Quando você foi viajar, alimentei os peixeis do seu aquário. Nunca botei o olho na sua mulher. Nossos filhos brincariam juntos um dia. Nossa casa é geminada, sei de segredos seus, sei da sua índole, seus hábitos, a cor do seu roupão. Não posso ter um vizinho novo. Aprendi a gostar de música clássica ouvindo os seus discos, que você tocava aos domingos de tarde, enquanto eu tentava dormir. Me separo da minha mulher, mas de você não saio do lado. Você é o meu outro, é através dos seus olhos que entendo metade do mundo. Foi com você que aprendi a ser tolerante com quem não é eu mesmo.

Meu vizinho me olhou assustado aquela manhã.

8 Reclamação:

Em 21 de jan de 2008 14:45:00, Anonymous Anônimo escreveu:

não sabia que dividia minhas manhãs com um ótimo cronista.
tó com medo de ser sua vizinha, a vizinha de mesa de sala, vai que eu apareço na sua escrita!!!
achei luxo, mas que maria do bairro, glamour!

 
Em 23 de jan de 2008 00:14:00, Anonymous Marcela. escreveu:

Por um breve momento achei q vc tinha mudado seu estilo de escrita.

 
Em 23 de jan de 2008 13:25:00, Blogger  escreveu:

Na verdade seu vizinho não te olhou de forma estranha, ele já não era mais seu vizinho, era um mero conhecido. Conhecidos costumam estranhar atitudes alheias constantemente, é a falta de convivência...rs

 
Em 25 de jan de 2008 12:49:00, Anonymous Eduardo At escreveu:

Menino Tiago você é um escritor extraordinário. Você tem expressões originais, um estilo próprio, muito inteligente, muito bem pensado. Eu gostei muito deste texto. Ele é muito pequeno, mas mostra o quanto você pode ser profundo, mesmo quando brinca de fazer-se desimportante. Espero que os seus textos cresçam, que você se arrisque a escrever mais (ah, é penoso e cansativo, vc deve saber, e as más críticas doem). Não sei se você tem "o que dizer", mas sei que você já sabe perfeitamente "como dizer", o que é uma raridade num mundo de textos obvios e gente sem estilo.

abço

 
Em 30 de jan de 2008 14:40:00, Blogger Sunset escreveu:

eu hein

 
Em 4 de fev de 2008 19:47:00, Blogger Flavia escreveu:

"Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada."
- Clarice Lispector

Teu vizinho é que sabe das coisas.
Ele foi atrás do vizinho dele que se mudou de cidade também. Coincidência, não? rsrsrs...

 
Em 12 de mar de 2008 13:14:00, Blogger Isabela escreveu:

Eu tenho que ler em ordem? MAs seria uma ordem inversa, non? Se e começar a ler daqui e ir até o 0 é uma jogada literária?

 
Em 20 de mar de 2008 15:09:00, Blogger .lucas guedes escreveu:

hoje é seu aniversário. a mim, você não parece o tipo de pessoa que adora ser cumprimentado em aniversário. mas eu não ligo e como não entro mais no orkut e a marcela não me deu seu e-mail, venho no comentário do seu blogue. parabéns.

 

Postar um comentário

<< Pagina Inicial